A pandemia do coronavírus transformou relações pessoais, familiares e, principalmente, profissionais. Com a necessidade do isolamento social para conter o risco de contaminação, as pessoas passaram a cumprir os horários de trabalho em suas casas, fato que mudou por completo o formato de reuniões e entregas de atividades. Um ano e meio depois do primeiro caso identificado no Brasil, o futuro do home office parece ser promissor. É uma nova era que se consolida no mundo todo.

Mesmo com a vacinação em massa e a queda significativa de casos mais graves de covid-19, a maior parte das empresas não têm se preocupado em retomar o regime presencial. Isso porque trabalhar em casa, para muitas pessoas, tornou-se sinônimo de qualidade de vida. Pais e mães conseguem acompanhar a rotina dos seus filhos com mais proximidade entre uma reunião e outra no decorrer do dia. O tempo gasto com transporte também vira minutos a mais de descanso e na companhia da família. Situações como essa provam que o home office é uma tendência em crescimento.

Home office e trabalho presencial: modelo híbrido desponta como a solução

Por outro lado, o esgotamento mental causado pelo excesso de tempo em casa também é um ponto a ser avaliado. Embora as mudanças tenham trazido benefícios, nem tudo pode ser encarado como um mar de rosas. Os casos de Síndrome de Burnout tiveram um aumento no período da pandemia. Pesquisas da Instituição Oswaldo Fiocruz apontam que 47,3% dos brasileiros relataram fortes sintomas de depressão e ansiedade durante o isolamento social. 

Resultados como esse decorrem de uma série de fatores: excesso de reuniões virtuais, negligência em relação aos horários de almoço e até mesmo, fadiga mental por estar o tempo inteiro no mesmo ambiente.

Nesse sentido, o home office se apresenta como uma faca de dois gumes: ele trouxe muitas vantagens no último ano, mas também ocasionou problemas psicológicos por excesso de trabalho. 

Lideranças precisam se adequar ao ‘novo normal’

Outro estudo internacional conduzido pela consultoria de recrutamento Robert Half revelou que 95% das empresas entrevistadas optam pelo modelo híbrido como o melhor cenário futuro. Isso porque os benefícios vão muito além do bem-estar dos colaboradores. As despesas com escritórios também são reduzidas. E por estarem mais confortáveis a esse novo método de trabalho, as pessoas estarão mais motivadas a produzir e executar suas tarefas.

Todavia, para adotar o modelo híbrido dentro de uma empresa, é indispensável que as lideranças e o setor de Recursos Humanos se preparem para conduzir esse formato. Esse processo de mudança requer diálogo e adaptação por parte de ambos os lados: colaboradores e líderes terão de encontrar ações para se adequarem ao novo cotidiano.

E, sem sombra de dúvidas, o trabalho colaborativo terá cada vez mais espaço dentro dessa tendência. Isso porque o time sentirá necessidade de estar mais envolvido nos projetos da empresa, principalmente nos dias de trabalho presencial. Esse engajamento é muito importante para resultados mais efetivos. 

Um futuro rumo à disrupção

Se antes o home office era visto apenas como uma realidade distante e remota, os acontecimentos provam totalmente o contrário: 94% das empresas aprovam o modelo de acordo com a Fundação Instituto de Administração (FIA).

Embora algumas organizações ainda não tenham uma estrutura bem definida para essa retomada gradual, tudo indica que a maioria dos regimes se resume a “meio a meio”, sendo duas ou três vezes por semana em casa, além do revezamento de equipes dentro do escritório.

Vantagens e desvantagens do modelo híbrido

Qualquer decisão possui seus prós e contras. E com o home office ou modelo híbrido não seria diferente. Listamos por aqui algumas vantagens e desvantagens desse método de trabalho.

Vantagens

  • Para o colaborador, há mais chances de flexibilidade no horário e redução do tempo gasto com a locomoção;
  • Já os empregadores terão benefícios em relação às despesas do escritório: consumo de energia, água e utilização do espaço físico para equipamentos;
  • Maior acessibilidade, agilidade e produtividade;
  • Mudanças positivas na cultura organizacional.

Desvantagens

  • Se uma empresa não estiver devidamente preparada para o modelo híbrido, ela terá sérios problemas com gestão de colaboradores;
  • Em alguns momentos, colaboradores podem sofrer com a dispersão e procrastinação dentro de casa;
  • A empresa precisará dar suporte à segurança dos equipamentos e arquivos do colaborador mesmo a distância.

O que esperar do futuro do home office?

Embora seja necessário colocar as vantagens e as desvantagens na balança, os pontos positivos ainda superam os riscos oferecidos pelo trabalho remoto. Por esse motivo, a melhor solução encontrada pelas empresas foi o modelo híbrido. Esse regime aliará a retomada e integração dos colaboradores em determinados dias da semana, mas sem que a volta ao escritório das 9h às 18h todos os dias seja uma obrigação.

Por último e não menos importante, vale lembrar que para um expediente produtivo, todo mundo precisa de um bom provedor de internet em casa! Quer saber mais dicas e informações sobre as tendências de tecnologia e conectividade? Fique de olho em nosso blog!